Bloomberg lista 5 tendências otimistas para preço do Bitcoin, apesar da “queda do Thanksgiving”

Sem categoria

O Bitcoin (BTC) continua a converter alguns dos críticos mais severos das finanças tradicionais, com a Bloomberg admitindo que esse mercado de alta não é nada como o de 2017.

Em um artigo publicado no dia 27 de novembro, o Blommberg, conhecido por seu pessimismo, destacou uma série de métricas do Bitcoin apontando para um futuro otimista – apesar da queda do preço de US$ 3.000 na quinta-feira.

Bloomberg: mercado de Bitcoin “muito mais líquido”

Incluídos como evidência estavam os recordes de contratos de futuros de Bitcoin em aberto, o número de carteira acima de zero, a taxa de hash e a falta de correlação entre o Bitcoin e outros ativos macro.

“Basta olhar para os aspectos técnicos do mercado e a crescente aceitação de Wall Street da maior moeda digital do mundo”, começou.

“E embora as negociações nem sempre ocorram sem problemas, a moeda digital de US$ 315 bilhões é muito mais densa e mais líquida do que durante o último boom de 2017.”

A Bloomberg referiu-se ao que descreve como “obstinados por criptomoedas” que rejeitam a ideia de que os atuais ganhos de preço são outra bolha. Entre eles estava o colaborador regular do Cointelegraph, Mati Greenspan.

“É diferente agora”, comentou.

“Na última vez que vimos o  preço do Bitcoin ficar tão alto, a blockchain estava perto de entrar em colapso, mas a rede teve melhorias desde então.”

Enquanto isso, uma entrevista separada para a Bloomberg TV na sexta-feira viu Antoni Trenchev, CEO do maior credor de criptomoedas do mundo, a Nexo, prevendo que o Bitcoin atingirá um novo recorde histórico no final de 2020, acrescentando:

“A narrativa do ouro digital está mais forte do que nunca. Se o Bitcoin capturar apenas 10% da capitalização total do mercado de ouro, estaremos em US$ 50.000 muito rápido. ”

A Bloomberg destaca os contratos em aberto de futuros de Bitcoin entre seus sinais de alta. Fonte: Bloomberg

Desempenho macro do BTC sufoca o do ouro

A falta de críticas contidas no artigo ecoa a crescente aceitação do Bitcoin como um ativo genuíno, seja o interesse de investimento vindo de círculos de varejo ou institucionais.

Parte da imagem positiva da criptomoeda deriva de seu crescimento nos últimos oito meses em comparação com a queda de março, durante o qual ela superou de forma consistente outros ativos macro. Mesmo após seu recuo até US$ 17.000, os retornos acumulados do Bitcoin no ano estão em 135%, contra 19% para o ouro e 12% para o S&P 500, confirmam os dados do recurso analítico Skew.

No caso do ouro, Mike McGlone, o estrategista-chefe da Bloomberg Intelligence que há muito divergiu da narrativa mais ampla e se tornou totalmente otimista em relação ao Bitcoin, acredita que as instituições continuarão a acumular criptomoedas no futuro.

“O Bitcoin está substituindo o ouro? Futuros e fluxos de fundos estão dizendo sim – O aumento de contratos em aberto de futuros e entradas de investidores no Bitcoin versus o mesmo declínio para o ouro indicam que a criptomoeda está ganhando uma vantagem para a valorização do preço, em nossa opinião ”, ele tuitou no início desta semana.

McGlone posteriormente acrescentou que o ouro provavelmente teria uma recuperação no próximo ano, com o metal precioso “favoravelmente inclinado” a recuperar US$ 2.000.

“Mergulhar nas camadas de suporte no final de novembro deve fornecer uma base para mais ganhos no preço do ouro”, escreveu ele na sexta-feira.

LEIA MAIS:

Fonte Cointelegraph

Last modified: 27 de novembro de 2020