Fundador da MyEtherWallet opina sobre qual país seria mais amigável às criptomoedas

Sem categoria

Com nações ao redor do mundo mantendo regulamentações significativamente diferentes, qual é o país mais amigável para as criptomoedas? Kosala Hemachandra, CEO e fundador da MyEtherWallet, classificou a pergunta como difícil.

“Primeiro temos que definir o que significa criptoamigável”, disse Hemachandra ao Cointelegraph. “Alguns países, como a China, estão buscando a emissão de moedas digitais governamentais, o que encorajaria a adoção rápida, mas ela não é fiel ao espírito descentralizado da criptomoeda.”

A China provou ser um dos países menos amigáveis à criptomoeda ao longo dos anos, como pode ser visto em várias restrições e proibições. Ao longo de 2020, a China envidou esforços significativos pela sua moeda digital de banco central, o yuan digital, embora tal ativo seja diferente dos ativos digitais descentralizados e abertos nativos da indústria de criptomoedas.

“Em alguns lugares, especialmente aqueles onde as moedas fiduciárias são instáveis ou altamente inflacionárias, os regulamentos podem ser contra as criptomoedas, mas há um uso generalizado de soluções cripto do lado do cliente”, continuou Hemachandra. A Venezuela, por exemplo, sofreu níveis crescentes de inflação. Em resposta, criptoativos ganharam popularidade na região.

Os EUA têm uma situação única em que cada estado individual possui diferentes leis e regulamentos, embora também estejam sob a alçada do governo federal. “Nos EUA, a amicabilidade com a criptomoeda pode variar significativamente de estado para estado”, disse o fundador da MEW. Esse conceito geralmente se mostra quando as plataformas de criptomoedas baseadas nos EUA lançam novos produtos ou serviços, começando em certos estados primeiro.

A paisagem global e ethos da criptomoeda, no entanto, também influenciam a questão. Hemachandra explicou:

“Procurar a região geográfica mais amigável à criptomoeda não é necessariamente a abordagem mais útil, uma vez que todo provedor de serviços de criptomoeda deve e deseja ter um usuário global. Como empresas no espaço, o que podemos fazer é nos concentrar em tornar a criptomoeda mais segura e amigável de usar, para que a adoção seja incentivada e as fronteiras geográficas importem cada vez menos. ”

O espaço cripto cresceu em 2020, o que é visto tanto no aumento do preço do Bitcoin quanto no boom das finanças descentralizadas. Durante este período na evolução da indústria de blockchain, os EUA têm continuado a procurar fiscalizar a tecnologia.

LEIA MAIS:

Fonte Cointelegraph

Last modified: 20 de novembro de 2020